Blog da comunicação estratégica
Incomum

Sua empresa possui um Plano de Voo?

Uma metodologia para guiar a sua marca.
Planejamento estratégico
O planejamento estratégico é uma excelente ferramenta. Mas, além de exigir um grande investimento financeiro, necessita de muito envolvimento e disciplina da equipe. Todos nós conhecemos diversas empresas que dizem ter planejamento estratégico, só que, de fato, o deixam hibernando em uma gaveta. Meu conselho para todos é que o tenham, mas, mais importante que isso, o executem! Caso contrário, deixem pra lá.
 
A Incomum sempre clamou por orientações de seus clientes sobre suas identidades, seus propósitos e personalidades. Afinal, a comunicação, assim como as ações de fato das empresas, é uma potente arma para promover a marca. Cada atitude, cada mensagem divulgada é como um tijolinho na construção de um grande muro que é a imagem institucional. Porém, se ambas não estiverem alinhadas, é como se os tijolos estivessem sendo mal assentados. Em determinada altura, por mais tradicional que seja a empresa, o muro cai de tão frágil. Percebendo que o planejamento estratégico é subaproveitado, ou mesmo não utilizado, e sentindo necessidade que o trabalho de divulgação de seus clientes colaborasse para a construção de uma imagem forte e única, a Incomum desenvolveu uma metodologia própria para auxiliar as marcas a encontrarem sua essência.
 

Plano de Voo - Foco em Comunicação Estratégica

 
O Plano de Voo consiste em uma série de ferramentas eficientes, já testadas e comprovadas em outros processos de trabalhos disponíveis no mercado. Elas foram compiladas pela Incomum para se tornarem um método simples de entender, instigante para aderir, convidativo para executar e eficiente para conquistar resultados.
 
O Plano de Voo Incomum é implantado em quatro etapas:
 

— DIAGNÓSTICO

Quando os dados são coletados. Aqui se estuda a percepção dos líderes, colaboradores, cadeia produtiva, clientes, fornecedores e concorrentes sobre a empresa ou produto. É uma verdadeira sessão de terapia empresarial, na qual se ouve e se descobre o que a empresa pretendia ser, o que ela ACHA que é hoje e o que se tornou de fato. Os resultados são intensos, reveladores e estimulantes. Nesta etapa se lança mão de entrevistas pessoais, pesquisas de opinião, visitas técnicas, análise de ponto de venda — o que for necessário para assegurar a melhor radiografia possível da marca. É adaptável à realidade do projeto e do cliente.
 

— CONCEITO

Munidos dos dados levantados na etapa de diagnóstico, agora chegou a hora de transformar as descobertas em algo palpável e autoexpressivo. Definimos os pilares conceituais da marca e verbalizamos em um slogan (ou conceito verbal) e criamos, se necessário, sua expressão visual (o logotipo). Todos têm traços únicos em sua personalidade e com as empresas não pode ser diferente. É isso que buscamos ressaltar para criar um lugarzinho para a marca dentro da cabeça (e do coração!) de seus públicos.

 

— PLANEJAMENTO

Nesta etapa, desdobramos o conceito em ações estratégicas que ajudem a reforça-lo e divulgá-lo da forma certa. É preciso prestar atenção em onde a percepção sobre ele está mais fragilizada, onde está ausente e onde o entendimento já existente pode ser útil para realimentá-la em outros públicos.
 

— SOLUÇÃO

Chegou a hora de colocar todo esse esforço inicial em prática. Agora é quando as coisas saem pra rua; acontecem! Empresas que já têm agência podem preferir realizar esta fase com elas. Para Incomum, é uma possibilidade: entregar seu estudo e orientações a um parceiro de longa data da empresa. O Plano de Voo pode servir até para salvar uma relação antiga e já desgastada entre cliente e agência. A Incomum também pode assumir a demanda, dependendo do escopo de trabalho e necessidades geográficas. É nesta fase também que são aferidos os resultados e se reavalia o rumo tomado. Tudo deve ser medido para que possa ser comprovado ou questionado. Métricas bem claras são definidas.
 
Em termos de percepção de marca, o Plano de Voo Incomum leva a sua, de forma mais ágil, palpável e assertiva, a um lugar em que antigamente só um planejamento estratégico com ênfase em comunicação teria chance de levar. A experiência resulta em clientes mais cientes de sua essência. Isso os habilita a criarem produtos e processos mais adequados e direcionados a seu público e propósitos — ou seja, muito mais eficientes. Os briefings nunca mais serão os mesmos e a sintonia com a agência evolui tanto que eles quase passam a ser desnecessários para a maioria das demandas futuras do dia a dia. E isso se desdobra na a relação com todos seus fornecedores — quem lhe vê diferente, lhe trata diferente.
 
Lembrem-se: uma empresa que não sabe quem é, é uma empresa que não consegue fazer seus colaboradores compreenderem seu caminho, trabalharem por um propósito claro; é uma marca que não cativa consumidores e que não conquista fãs; é apenas uma ideia na cabeça de um só — seu dono. Às vezes, nem isso
 
Você já fez diagnóstico de comunicação na sua empresa? Percorreu todas essas etapas? Se tiver alguma dúvida, você pode dividir com nossa equipe, é só clicar aqui
 
Esse texto foi escrito por Daniel Moreira, Sócio e fundador da Agência Incomum há 21 anos.
 
Postado em 23/02/2016 -

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Enviar Comentário

Voltar

arquivo

Fale com a
Incomum

Enviar

E-mail inválido.