Blog da comunicação estratégica
Incomum

Personalidade da marca: saiba como definir a da sua empresa

Esse é um trabalho que deve ser planejado desde cedo, pois é preciso que o cliente guarde, aos poucos, todos os traços da marca da organização.
personalidade da marca

Personalidade da marca. Quem houve o termo pela primeira vez acredita que a frase não faz sentido, certo? Afinal, ainda são muitas pessoas que confundem marca apenas com as questões visuais — como o logo, por exemplo. Então, vamos fazer a seguinte pergunta: qual é a primeira palavra que você pensa quando falamos "Coca-Cola"? Provavelmente, você se lembrou da “felicidade”, certo?

Pois é. Marcas trazem embutidas consigo uma série de valores e, quando bem arquitetadas, podem remeter, inclusive, a noções de conduta e de qualidade, como um bom atendimento. Esse é um trabalho que deve ser planejado desde cedo, pois é preciso que o cliente guarde, aos poucos, todos esses traços da marca da organização. É como conhecer uma pessoa: vamos percebendo cada detalhe e fortalecendo laços.

A personalidade de uma marca deve ter coerência com os valores, com a missão e com a visão do negócio, além de representar a sua verdade. São muitas as características que devem estar presentes no brainstorming de definição de uma marca, mas, para a sua sorte, resolvemos trazer as principais delas nesse post.

A seguir, você aprende tudo o que precisa saber para definir a personalidade da marca da sua empresa. Confira!

Explore a verdade da sua marca

Missão, valores e visão. Embora esses sejam elementos muito usados no meio organizacional, também podemos pensá-los na nossa vida pessoal, certo? Somos um somatório de expectativas, obedecemos determinados códigos éticos e de conduta, e procuramos sempre causar impacto não só nas nossas vidas, como também na dos outros. No final, todos esses pequenos detalhes dizem muito sobre a nossa personalidade e, o que também é interessante, somos reconhecidos pelos outros por eles.

Se existe uma verdade sobre nós, também existe uma verdade sobre a marca. Se agimos contra nossas crenças e atitudes, somos chamados de hipócritas pelos outros, e o mesmo ocorre com uma organização. Por isso, é muito importante haver uma conciliação entre a forma como expomos a marca no mercado e a sua real identidade, expressa não só no que definimos no planejamento, mas também como, de fato, a empresa se comporta.

Esse é um ponto que deve ser observado nos seus mínimos detalhes. A forma como um atendente trata o cliente, por exemplo, já é um elemento constitutivo de uma marca, mas também é a sua identidade visual, que é uma questão mais abstrata, por exemplo. De nada adianta, portanto, anunciarmos que tratamos o cliente com humanidade, se nossos colaboradores não são capacitados e são negligentes nesse assunto.

Assim, existe aquilo que aspiramos ser e o que, de fato, somos: a verdade da marca acontece quando as duas coisas se comunicam e estão de acordo. Pode ter certeza que uma marca verdadeira consegue muito mais sucesso e reconhecimento do consumidor.

Crie o plano de voo da sua marca

Agora é chegado nosso último ponto: afinal, como fazermos para unir os pontos e chegar na verdade da marca? É justamente para isso que existe o plano de voo. Basicamente, esse tipo de ação envolve o uso de uma série de ferramentas, que são bastante efetivas para esse propósito.

  • Diagnóstico: esse é o momento em que os dados são coletados. Funciona como uma verdadeira terapia empresarial, afinal, tem como objetivo estudar a percepção dos líderes, os processos internos, os clientes, os concorrentes, ou seja, todo o cenário que cerca a empresa interna e externamente. Para isso, são usadas desde técnicas de entrevista, até visitas técnicas na sede do negócio.
  • Conceito: agora que temos os dados necessários, chegou o momento de transformarmos todos eles em informações mais palpáveis. É agora que vamos definir os pilares da marca, seus fundamentos, que vão desde a verbalização em um slogan (conceito verbal), até a forma como a empresa se expressa visualmente (identidade visual).
  • Planejamento: encerrada a parte mais “teórica”, é chegado o momento de definirmos, de fato, o conjunto de estratégias e planos de ação que a empresa vai desenvolver para conseguir refletir a sua verdade no mercado.
  • Solução: por fim, devemos arregaçar as mangas e começar a colocar tudo o que foi planejado em prática, para então começar a colher os frutos desejados.

Certamente, o plano do voo é indispensável para desenvolvermos e expressarmos a personalidade da marca de acordo com a sua verdade. Esse pode ser um grande diferencial para que o seu negócio, de fato, consiga se comunicar com clareza no mercado!

Além disso, a coerência de uma marca não afeta apenas os fatores externos, como a percepção dos clientes, mas também a própria percepção dos colaboradores, o que pode melhorar o clima organizacional.

Gostou do post de hoje? Que tal fazer uma auto-avaliação da sua marca? Clique aqui e conheça o a ferramenta exclusiva e gratuita da Incomum.

 
Postado em 03/07/2017 -

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Enviar Comentário

Voltar

arquivo

Fale com a
Incomum

Enviar

E-mail inválido.